sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Discriminação religiosa ou racial?


Segundo se diz vivemos num país abençoado, livre de preconceitos, onde a igualdade e a liberdade de expressão são totais e onde todas as pessoas vivem felizes e satisfeitas, afinal de contas até "Deus é brasileiro". Mas será mesmo ? Analisando friamente nossa condição sócio/cultural será que podemos afirmar com todas as letras que somos um povo livre ? Acredito que não, e vou discorrer sobre o tema para que possamos analisá-lo e acredito que chegarão à mesma conclusão que eu cheguei, mesmo com o coração partido e cheio de lamentações.
O Brasil foi o último país ocidental que aboliu a escravidão, e não por motivos humanitários, foi por pressão da Inglaterra que precisava de mercado consumidor para seus produtos e para escoar sua produção industrial, desde esta época a raça negra tem sido "colocada em seu lugar" dentro da nossa sociedade, observe bem, em qualquer curso superior deste pais quantos negros estão estudando? Nas casas da classe média e média alta quem está na cozinha como uma "empregada"? Nas favelas do país qual o percentual de negros e pardos? Todos se dizem sem preconceitos, mas se a filha chegar em casa com um negro e apresentá-lo como namorado a grande maioria não terá uma reação daquelas nada agradáveis?
Desta forma o povo brasileiro se acostumou a esta discriminação velada e sórdida, e esta discriminação não se limita à condição racial, o povo brasileiro é uma massa extremamente manipulável quando se fala em termos religiosos. As grandes religiões de massa, aquelas que prometem a salvação eterna e a riqueza material em detrimento dos "infiéis" que queimarão nas chamas do inferno, fomentam a discriminação, a agressão o absurdo dos ataques e humilhações aos que querem e tem todo o direito de adorar a Deus de acordo com sua consciência e com suas tradições.
Envolvidos num manto de bondade e de santidade que poderíamos classificar como "pele de ovelha", que bem poderiam se encaixar na frase do Mestre Jesus quando nos disse "são lobos em peles de ovelha", estes indivíduos se dizem representantes da divindade e agridem gritantemente o direito à livre expressão e ao livre culto daqueles que escolheram em seu coração as formas de adoração divina que foram trazidas pelos nossos valorosos trabalhadores africanos para o Brasil. Sem conhecimento doutrinário, sem informações ou com informações deturpadas, estes atoleimados palermas classificam tudo como "obra do demônio" quando eles mesmos poderiam se intitular como os próprios demônios, pois suas atitudes criminosas e fanáticas chegam a beirar a intolerância daqueles que detonam em seus próprios corpos as "dinamites de Alá" em prol da sua fé.
Diante de tais observações passamos a indagar novamente: O Brasil é um país de livre culto ? é um país de liberdade ? no Brasil somos livres de preconceito ? Infelizmente não ! mesmo sabendo que em nossa constituição temos o direito garantido à livre expressão religiosa, que nosso estado é um estado laico, mas mesmo assim vemos a discriminação, as piadas, o desprezo e mesmo as agressões acontecerem à larga. E a justiça ? a justiça é para quem pode, muitos já me disseram que no Brasil a justiça é PPP, somente Pobre, Preto e Put... é quem sofre suas conseqüências, realmente, nas cadeias e delegacias super-lotadas no Brasil existem quantos brancos ? será que na hora do flagrante delito a justiça brasileira é a mesma para os pobres e negros e para os brancos e ricos ? infelizmente não ! Por que uma igreja evangélica pode colocar um alto falante em cima de seu telhado e propagar seu culto no mais alto volume até 23 horas e um templo de Umbanda tem que realizar seus cultos "quietinhos" e tendo que "calar" seus atabaques às 22 horas em ponto sob pena de ser "delicadamente" silenciado pela polícia ? Por que a igreja católica pode realizar grandes procissões e comemorações religiosas para seus "santos", deixando a sujeira e a desorganização para os órgãos públicos limparem e um grupo de culto afro não pode oferecer às suas divindades um culto externo porque são classificados como "sujos", "selvagens" e destruidores do patrimônio público ? vamos pensar e analisar bem, quantas vezes defendemos a igualdade e quantas vezes caímos nestes crimes velados, nestas mesquinharias escondidas, nestas hipocrisias disfarçadas e depois saímos com a cabeça erguida falando que no Brasil todos somos iguais ? Nesta semana que entra vamos comemorar o dia da consciência negra, será que este dia não é um "cala boca" ? Um "docinho pra criança parar de chorar" ? Ou é um dia de reflexão, um dia de modificação de conceitos, um dia para se despir de nossas amarras preconceituosas do passado e enxergar que neste mundo cada um pensa da forma que quiser e ninguém tem direito de interferir nisso e que todos tem que se respeitar mutuamente e cada um tem que cuidar do próprio umbigo ? Pois é meus amigos, pensemos bem !
Observando todos e tantos outros fatos que muitas vezes passam despercebidos, porque até mesmo o mal cheiro depois de uma ampla convivência acaba desaparecendo de nossa percepção, podemos afirmar com certeza, o Brasil é um país preconceituoso, desigual, injusto, discriminatório e com toda certeza "Deus não é brasileiro", mesmo porque para ser brasileiro provavelmente Ele teria que classificar os credo afro como obra do demônio, chamar a polícia para repreender suas manifestações religiosas e fazer piadas e anedotas de negro e sobre suas culturas nas rodas de amigos no churrasco e na cervejada. Infelizmente esta é a verdade, mas uma verdade que não precisa ser definitiva, pode ser mudada, não agora porque mudar consciências que estão intoxicadas à séculos não se muda de um momento para outro, mas paulatinamente, através de uma única arma, a EDUCAÇÃO, e não falo a educação dos bancos escolares, falo da educação familiar, da educação e da conscientização dentro de nós mesmos, para nosso crescimento humanitário, reconhecendo nossa condição de livre pensadores, de respeito ao ser humano e suas liberdades individuais. Eu sou Umbandista, nasci e fui criado dentro do Espiritismo, estudando e conhecendo melhor a Umbanda me maravilhei com a cultura afro, com a beleza e a sinceridade da religião e abracei com prazer o culto Umbandista, porque ? porque sou livre para escolher, porque quero liberdade para pensar como eu quiser, assim como respeito e aceito a escolha do meu próximo. Meus amigos, como é bela a cultura afro, como são fortes e guerreiros nossos irmãos africanos, como são sinceros, humildes, lutadores, fortes, nos terreiros de umbanda não existe discriminação, homens, mulheres, brancos, negros, heterossexuais, homossexuais, todos estão no mesmo patamar, como é injustiçada a raça negra, como são injustiçados e agredidos os cultos afro no Brasil, isso só me faz cada vez mais admirá-los, querer ser como eles, muitas vezes ter vergonha de ser branco, muitas vezes ter vergonha de ver tanta hipocrisia moral e falsa moral. Eu como Umbandista acredito na reencarnação e posso dizer com certeza e com toda força do meu espírito, pedindo ao meu pai Oxalá em minhas orações: "Pai, quando for nascer de novo, quero ser negro !!"
Autor : Weber Negromonte Martins

2 comentários:

lu disse...

Realmente acho um absurdo.Como todas as descriminações no Brasil essa tb é velada.Muitos desses que descriminan quando precisan de alguma coisa que a "religião" deles não resolve correm para a nossa pedindo socorro.
Luciana Dufrayer.

Anônimo disse...

Aprendi muito